Podcasts de história

Restos Arqueológicos de Samaria

Restos Arqueológicos de Samaria

Referências

  • Reisner, G. A. Harvard Excavations at Samaria, 1908-1910. Harvard University Press, 1924

Morreu como Jesus? Restos raros sugerem que o homem foi crucificado há 2.000 anos

No que parece ser uma rara evidência física de crucificação, o método usado para matar Jesus Cristo de acordo com a Bíblia, os cientistas dizem que feridas encontradas no calcanhar de um homem enterrado há cerca de 2.000 anos no norte da Itália sugerem que ele foi pregado a uma cruz de madeira antes ele morreu.

Em 2007, arqueólogos estavam escavando um sítio em Gavello, localizado no Vale do Pó a cerca de 60 milhas de Veneza, antes da construção planejada de um oleoduto quando descobriram os restos mortais de um homem deitado de costas, com os braços ao lado do corpo e suas pernas esticadas. Excepcionalmente para um sepultamento da era romana, o homem foi enterrado diretamente no solo, em vez de dentro de uma tumba, e não havia sepulturas enterradas junto com ele.

Quando eles examinaram os restos mortais mais de perto, pesquisadores das universidades de Ferrara e Florença notaram uma lesão e fratura não cicatrizada em um dos ossos do calcanhar. Em um novo estudo publicado em abril na revista Ciências Arqueológicas e Antropológicas, eles escrevem que a posição e a estrutura das feridas sugerem que um prego de metal pode ter sido cravado de dentro para fora do pé direito. Isso significa que os pés do homem foram potencialmente pregados a uma superfície dura (como uma cruz de madeira) pouco antes de sua morte.

O enterro foi descoberto perto de Gavello, na planície de Po. (Crédito: Arqueologia Soprintendenza, Belas Artes e Paisagem para as Províncias de Verona, Rovigo e Vicenza)

Os antigos romanos não foram os primeiros a praticar a crucificação, mas a usaram durante séculos como forma de pena capital, até que o imperador Constantino a proibiu no século IV DC. De acordo com a Bíblia, Jesus foi crucificado em Jerusalém, então sob o domínio romano , no início da era cristã, entre 36-30 DC. Embora os escritos históricos contenham muitos relatos de crucificação, os restos encontrados em Gavello representam apenas a segunda peça de evidência arqueológica direta da crucificação na história.

No novo estudo, os pesquisadores escrevem que os romanos reservavam principalmente o método prolongado e doloroso de execução por crucificação para escravos, mas às vezes também o usavam para revolucionários (como Jesus), estrangeiros, criminosos, desertores militares e outros párias. Testes genéticos e biológicos do homem enterrado em Gavello mostraram que ele era um homem magro e de estatura mais baixa em seus trinta e poucos anos. Sua constituição relativamente pequena sugere que ele pode ter sido um escravo subnutrido e seu enterro não teve a cerimônia regular dos funerais da Roma Antiga & # x2014, o que faria sentido se ele tivesse sido executado. & # xA0

& # x201CNão podemos saber se ele era um prisioneiro, & # x201D o autor principal do estudo & # x2019s, Emanuela Gualdi, da Universidade de Ferrara, disse ao Live Science. & # x201CMas a marginalização do sepultamento indica que ele provavelmente era um indivíduo considerado perigoso ou difamado na sociedade romana. & # x201D

Osso do calcanhar de um homem crucificado com o prego de ferro que perfurou seu osso, descoberto em 1968. (Crédito: Zev Radovan / BibleLandPictures)

Antes da nova descoberta, a única outra evidência direta da crucificação veio de uma escavação de tumbas da era romana em Jerusalém em 1968. Dentro do osso do calcanhar de um homem encontrado em uma das tumbas, o arqueólogo grego Vassilio Tzaferis encontrou uma prego, ainda preso a um pequeno pedaço de madeira de oliveira, que os pesquisadores concluíram ser tudo o que restou da cruz em que foi pendurado.

No caso dos restos mortais de Gavello, os autores do novo estudo admitem que suas descobertas não são tão conclusivas. O outro osso do calcanhar do homem está faltando, por um lado, e os ossos restantes não estão em boas condições. Eles também não encontraram evidências de que os pulsos foram pregados na cruz, como era comum na crucificação da era romana. Ainda assim, eles sugerem que seus braços poderiam ter sido amarrados à cruz com uma corda, como se pensa ser o caso do homem encontrado em Jerusalém.

Devido ao mau estado dos ossos, os pesquisadores também não puderam usar técnicas de datação por radiocarbono. Mas a localização dos restos mortais dentro das camadas de restos mortais da era romana os levou a concluir razoavelmente que o homem foi morto há aproximadamente 2.000 anos, colocando sua morte aproximadamente no mesmo período da crucificação de Jesus.


A Queda de Israel

Todos os reis de Israel, sem exceção, foram infiéis e desobedientes a Deus. Eles abraçaram religiões idólatras e eram extremamente perversos. Depois de repetidas advertências proféticas sobre o desastre vindouro - a menos que Israel se arrependesse, o reino do norte de Israel foi dominado pelos assírios por volta de 724 AEC.

Muitos dos israelitas que sobreviveram ao ataque foram levados para terras estrangeiras, onde foram assimilados pelas populações nativas (2 Reis 17: 5-6 17: 22-41). Essas tribos do norte são chamadas de “tribos perdidas de Israel”. No entanto, alguns grupos de famílias israelitas mantiveram sua integridade ancestral.

Os assírios enviaram cinco tribos orientais para viver no norte de Israel. Essas cinco tribos trouxeram consigo suas próprias religiões e costumes estrangeiros. As tribos foram enviadas com o objetivo de diminuir a identidade e a cultura israelita. Os estrangeiros orientais se casaram com o restante da população israelita, muito esgotada. Este grupo de pessoas híbridas foi o início dos samaritanos.

O Império Assírio caiu nas mãos dos egípcios em 612 AEC. Os egípcios já haviam assumido o controle de Samaria em 610, após tirar a vida do rei da Judéia, Josias, que esperava conquistar Israel. Os egípcios foram posteriormente derrotados pelos babilônios, e Samaria se tornou uma pequena capital do império babilônico de 605 a 562 AEC.


A Queda de Judá

Em 586 AEC, o reino meridional de Judá também foi conquistado pelos babilônios (2 Crô. 36: 15ss), e todo o Israel e Judá passaram a ser conhecidos como Samaria. Muitos judeus [1] foram exilados de sua terra natal e levados cativos para a Babilônia por setenta anos, conforme profetizado por Jeremias (Jr 25: 11-12 2 Crônicas 36:21). A população judaica foi levada em várias etapas para a Babilônia. Parece que apenas os mais pobres, os mais doentes e os menos qualificados foram deixados para trás. Essas pessoas restantes se casaram com seus vizinhos do norte, resultando em crenças e costumes estrangeiros que se misturaram com as crenças e costumes judaicos.


Vinhedo de Naboth

Além de seu palácio em Samaria, Acabe também tinha um “palácio” em Jezreel, cerca de 33 quilômetros ao norte da capital. Ao lado desse palácio, havia um vinhedo de um homem chamado Nabote, que Acabe cobiçava. Jezabel providenciou a morte de Nabote e Acabe se tornou o dono da vinha (1 Rs 21: 1-16).

Vista aérea de Jezreel. Os restos de um portão com quatro (ou seis) câmaras podem ser vistos à direita (lado sul). A construção do complexo militar real foi datada dos reinados do rei Omri e Acabe. Foto: https://www.biblewalks.com/tellyizreel

Escavações em Jezreel identificaram uma fortaleza militar da Idade do Ferro IIB (900-700 a.C.) na pista superior. 14 Em 1 Reis 21: 1-2, lemos que a vinha de Nabote estava localizada perto do palácio do rei Acabe & # 8220. & # 8221 A palavra hebraica para palácio é heikal, não a palavra que normalmente é usada para um palácio: Armon. UMA heikel é um edifício grande e importante de natureza militar ou religiosa. Jezreel foi o lugar onde Israel reuniu seu exército e, portanto, o heikal foi provavelmente a fortaleza de Acabe. 15

Esta antiga vinícola escavada na rocha está localizada no sopé de Tel Jezreel ,. Visíveis são o piso de pisar (vanguarda), cubas e outros poços funcionais. Sua localização indica que ele pode estar conectado com o vinhedo Naboth & # 8217s (1 Rs 21). Foto: Cortesia da Expedição Jezreel.

As escavadeiras mais recentes - Norma Franklin da Universidade de Haifa e Jennie Ebeling da Universidade de Evansville - descobriram uma antiga vinícola cortada em rocha calcária no sopé de Tel Jezreel. Com base na comparação com outras vinícolas nas proximidades e na ausência de evidências de uma viga e prensa de parafuso (uma invenção posterior), acredita-se que esta seja uma vinícola da Idade do Ferro. 16 Além disso, os detalhes em 2 Reis 9 levam à conclusão de que a vinha de Nabote estava localizada a leste de Jezreel na estrada principal, a Via Maris. A expedição Tel Jezreel desenterrou a vinícola em 2013 e a encontrou a leste de Jezreel, perto de onde a Via Maris teria funcionado. Como as vinícolas estavam localizadas perto dos vinhedos em tempos antigos, isso pode realmente ser os restos do vinhedo de Nabote, que o rei Acabe roubou.


Arqueologia

A rica história bíblica de Israel pode ser encontrada na arqueologia do país. O Jerusalem Post compartilha as últimas novidades sobre as escavações arqueológicas em importantes locais bíblicos e históricos em Israel e na região.

O nível do mar de Israel subiu 2 m. no período helenístico, poderia explicar o declínio

Humanos e neandertais coexistiram no deserto do Negev há 50.000 anos

O que a arqueologia nos diz sobre as origens do Judaísmo?

Foca de 7.000 anos lança luz sobre & # x2018business & # x2019 atividades no antigo Israel

Ovo de galinha de 1.000 anos, um dos mais antigos de todos os tempos, encontrado em Israel

Ponta óssea de 3.000 anos lança luz sobre a queda dramática do bíblico Gate

Um projétil de osso individual desenterrado no local provavelmente oferece um testemunho vívido dos últimos dias do centro antes de seu fim, quando a matéria-prima para fabricar armas provavelmente estava acabando.

Nova espécie de dinossauro descoberta na Austrália, uma das maiores do mundo

"Descobertas como essa são apenas a ponta do iceberg", disse o curador e paleontólogo do Museu de Queensland Scott Hocknull.

Catedral na Noruega que se acredita ter sido construída sobre um assentamento viking

"O que encontramos são os ossos de um porco, que foram claramente atirados no local com a carne e a pele intactas", disse Sean Denham, da UiS.

O estudioso dos Manuscritos do Mar Morto desvenda o mistério

Como os judeus na terra de Israel usavam o banheiro há cerca de 2.000 anos? Os lendários Pergaminhos do Mar Morto oferecem algumas respostas.

Suspeitos presos após destruir antiguidades em escavações ilegais

Os suspeitos estavam equipados com ferramentas de escavação manual e uma retroescavadeira e realizavam escavações destrutivas e ilegais nas terras de Khirbat al-Jahush.

Dentes de alce de 8.000 anos revelam tendências de dança psicodélica da Idade da Pedra

Os pesquisadores dançaram em ornamentos de dentes de alce no estilo da Idade da Pedra por horas a fio e depois compararam as marcas àquelas encontradas em cemitérios antigos.

Que tipo de salada os cananeus comeram?

Os pesquisadores analisaram mais de 3.500 achados de plantas e identificaram emmer, lentilhas, pistache, ervilhas, figos, azeitonas, linho, cevada e uvas, entre outros.

Basílica de 2.000 anos desenterrada em Ashkelon

& # x201CA basílica foi descoberta pela primeira vez na década de 1920 pelo arqueólogo britânico John Garstang, que então a cobriu mais uma vez, & # x201D disse a Dra. Rachel Bar Nathan, diretora de escavação do IAA.

Pergaminhos do Mar Morto: 2.000 anos atrás, os judeus usaram livros bíblicos e # x2018 e # x2019

Há cerca de 2.000 anos, os judeus usam manuscritos bíblicos formais lindamente escritos para leitura pública, bem como textos bíblicos escritos informais e malfeitas para uso pessoal.

Monumento sírio de 4.000 anos contém restos mortais de soldados mortos na guerra

O monumento, localizado no local de Banat-Bazi na Síria, lembra a Antiga Pirâmide Escalonada Egípcia de Saqqara, que tinha aproximadamente o mesmo tamanho, mas era feita de terra em vez de pedra.

Relembrando Eilat Mazar, a arqueóloga de Jerusalém

APRECIAÇÃO: & # x201CI trabalhar com a Bíblia em uma mão e as ferramentas de escavação na outra, & # x201D Mazar disse. & # x201A Bíblia é a fonte histórica mais importante e, portanto, merece atenção especial. & # x201D

Amuleto judeu contra & # x2018olho do mal & # x2019 oferece uma visão sobre a vida talmúdica no Israel

O artefato foi descoberto há cerca de 40 anos na vila de Arbel, na Galiléia, por um de seus primeiros residentes, o falecido Tova Haviv.

Judeus antigos comiam bagres não-kosher, tubarões

A proibição bíblica contra criaturas marinhas sem barbatanas e sem escala surgiu apesar desse hábito consolidado.

O que as moedas antigas nos dizem sobre Bar Kochba e o período Omer?

O simbolismo por trás das moedas é claramente afirmado nos ornamentos que apresentam.

A Hungria tem a peça que faltava na lâmpada da sorte de 2.000 anos?

Por causa de sua forma única & # x2013 uma meia face com características grotescas, semelhante a uma máscara de teatro & # x2013, o artefato foi descrito pelos arqueólogos como muito único.

Cavernas em Roma contêm restos mortais de Neandertais com menos de 70.000 anos

Oito dos restos mortais são datados entre 50.000 e 68.000 anos atrás, enquanto um, o mais antigo, é datado entre 90.000 e 100.000 anos atrás, disse o ministério em um comunicado.

O Rabino Shimon Bar Yochai está realmente enterrado em Meron? É complicado

Por um lado, alguns cemitérios cortados na rocha que datam da época da Mishna estão presentes em Meron. Por outro lado, nenhuma evidência arqueológica ligando-os ao Rabino Shimon Bar Yochai jamais foi encontrada.

Período do segundo templo & # x2018lâmpada da sorte & # x2019 encontrada na estrada de peregrinação de Jerusalém e # x2019s

Os especialistas acreditam que a lâmpada e a construção datam do período imediatamente após a destruição do Templo pelas mãos dos romanos em 70 EC.

Pergaminhos do Mar Morto: escriba misterioso escreveu oito pergaminhos diversos, descobrem estudiosos

& # x201CO objetivo principal do meu trabalho tem sido usar inteligência artificial, um algoritmo de extração e análises estatísticas para testar 51 manuscritos que compartilham um determinado estilo de caligrafia. & # x201D

Humanos e macacos poderiam ter mais história compartilhada do que pensávamos - estude

Uma nova pesquisa em um fóssil de 3,67 milhões de anos atrás indicou que os primeiros humanos ainda se balançavam em árvores ao lado de macacos, muito depois de já terem desenvolvido a capacidade de andar.

Roma e o Coliseu do # x27 para obter um novo piso de alta tecnologia

Uma empresa de engenharia italiana, Milan Ingegneria, ganhou o contrato de 18,5 milhões de euros (US $ 22,2 milhões) para projetar o novo piso e se comprometeu a concluir o projeto até 2023.

Arqueólogos finalmente namoram o misterioso & # x27Plain of Jars & # x27 no Laos

Não se sabe ao certo qual era o propósito original dos potes megalíticos, com os pesquisadores dizendo que "permanece um mistério."

Múmia egípcia pensada para ser um padre, na verdade uma mulher grávida - estudo

No único caso conhecido de um feto sendo embalsamado, uma múmia erroneamente considerada um sacerdote por mais de 150 anos era na verdade uma mulher grávida.

Arqueólogos descobrem vestígios de rituais vikings na Islândia

Uma estrutura em forma de barco foi descoberta, bem como dezenas de contas, algumas delas tendo sua origem diretamente atribuída ao Iraque.

Conheça os elefantes que vivem em Israel há 500.000 anos

& # x201Cao longo de centenas de milhares de anos, as pessoas comiam elefantes & # x201D Universidade de Tel Aviv, Prof. Ran Barkai, explicou. & # x201CPara esse propósito, eles desenvolveram ferramentas específicas. & # x201D

Estudiosos israelenses encontram vestígios humanos de milhões de anos na caverna & # x2018Miracle & # x2019

& # x201CNós podemos agora dizer com confiança que nossos ancestrais humanos estavam fazendo ferramentas de pedra simples de Oldowan dentro da Caverna Wonderwerk há 1,8 milhão de anos. & quot

Mosaico colorido de 1600 anos descoberto em Yavne

O artefato foi revelado durante uma escavação de salvamento em preparação para a construção de um novo bairro.

Quantos anos têm os Manuscritos do Mar Morto? Projeto de datação por carbono para oferecer respostas

O projeto e alguns resultados preliminares foram apresentados em uma conferência na universidade na semana passada: embora, em muitos casos, alguns pergaminhos possam ser mais antigos do que se pensava.

Pergaminhos do Mar Morto: Inteligência Artificial lança uma nova luz sobre seus autores

Um projeto paleográfico baseado em inteligência artificial realizado por estudiosos na Holanda encontrou uma maneira de substituir o olho humano pela inteligência artificial.

Paleo-start-up nação: pré-históricos israelenses trocaram tecnologia - Estudo

Para entender que tipo de troca ocorria entre eles, os arqueólogos examinaram seus utensílios e a forma como os fabricaram.

Israel descobre uma inscrição de 3.500 anos da Canaã bíblica

A escrita, uma combinação de seis letras em duas linhas distintas, é apresentada em um fragmento de cerâmica encontrado no local localizado na região de Shephelah, no centro-sul de Israel.

O primeiro complexo romano antigo descoberto na Grã-Bretanha, dividido em

Em algum momento durante a noite entre 14 e 15 de abril, o local recém-descoberto foi invadido, o Gazette & amp Herald relatou na manhã de sexta-feira.

A associação do trabalho com o sexo biológico começou há 5.000 anos - estudo

Os resultados apóiam a afirmação de que a fonte das desigualdades de gênero está parcialmente enraizada no período Neolítico e sua colonização da Europa pelos agricultores.

O banheiro de 800 anos revela: judeus britânicos comiam arenque, frango, sem porco

& # x201CNós descobrimos que na fase judaica não havia processamento de suínos. Mas na fase anglo-saxônica, havia processamento de suínos. & # X201D

Será que esta laje de pedra é o mapa mais antigo conhecido da Europa?

No entanto, os pesquisadores não têm certeza do que as outras esculturas da pedra representam, mas levantam a hipótese de que refletem outros assentamentos desconhecidos que datam da Idade do Bronze.

Apedrejado na Idade da Pedra: os humanos pré-históricos ficaram chapados - estudiosos israelenses

O estado de espírito alterado causado pela hipóxia também afetou a prática de desenhar nas cavernas.

Arqueólogos descobrem a antiga Pompéia egípcia & # x27 perto de Luxor

A cidade foi construída há mais de 3.400 anos, durante o opulento reinado de Amenhotep III, um dos faraós mais poderosos do Egito.

Edifício de 2.500 anos dedicado ao culto, reescreve a história de Creta

A falta de cemitérios no século 6 a.C. Creta não foi o resultado de um declínio na ilha, mas de uma mudança nas práticas funerárias, dizem os arqueólogos

Os primeiros humanos de 100.000 anos atrás coletaram cristais, cascas de ovos

As conchas de avestruz encontradas no estudo certamente foram coletadas, mas eram comuns na área, levando os pesquisadores a acreditar que fossem restos de recipientes com água.

Moedas árabes antigas podem resolver o mistério do Rei dos Piratas

Henry Every é o pirata de maior sucesso da história, aterrorizando o Mar Vermelho. Mas depois de realizar, sem dúvida, o maior roubo da pirataria, ele desapareceu.

Uma casa de produção de sal de 6.000 anos encontrada no Reino Unido reescreve a história antiga

A instalação de produção de sal encontrada em North Yorkshire é anterior a Stonehenge e é a mais antiga encontrada na Grã-Bretanha e possivelmente até na Europa Ocidental.

Moeda da 2ª era do Monte do Templo encontrada durante a conservação da Torre de David

Os siclos tírios são freqüentemente mencionados em relatos históricos do Período do Segundo Templo, mas muito poucos foram encontrados.

Egito abrirá uma fábrica de réplicas para divulgar a cultura egípcia

O projeto não pretende ser comercial, mas sim divulgar a indústria e o patrimônio egípcio.

Os judeus medievais observavam a cashrut?

Novas descobertas sugerem que os judeus ingleses medievais em Oxford seguiam uma dieta kosher.

Ruínas maias em Belize mostram a antiga desigualdade de riqueza

Os pesquisadores avaliaram a desigualdade de riqueza com base na mistura de residências grandes e menores, junto com o tamanho e a natureza das estruturas.

Mosaico romano gigante descoberto por arqueólogos no sul da Espanha

Dentro da villa, foi descoberto um mosaico de 9 metros por 18 metros, consistindo de desenhos geométricos e padrões guilhoché.

Máscara de 3.000 anos encontrada na China lança luz sobre a civilização misteriosa

Os historiadores sabem pouco sobre o antigo estado de Shu, embora as descobertas indiquem que ele pode ter existido durante os séculos 12 e 11 aC.

O rolo bíblico perdido pode ter 2.700 anos, diz um estudioso israelense

& # x201CO texto lembra muito o livro de Deuteronômio, e qualquer pessoa que o conheça o sentiria. Mas também existem algumas diferenças, & # x201D Dershowitz disse.

Ídolo de bronze, presente para Zeus, descoberto na antiga escavação arqueológica de Olímpia

Uma mini-estátua que se acredita ter sido usada como um presente para Zeus entre 1.050 e 700 a.C. foi descoberto no sítio arqueológico de Olímpia, um santuário dedicado ao deus do trovão.

Os mais novos manuscritos do Mar Morto são apenas o começo?

Cerca de 600 cavernas do Deserto da Judéia pesquisadas até agora, Eitan Klein & # x27s da Autoridade de Antiguidades de Israel, disse à & # x27Post & # x27 um dia após a descoberta dos primeiros fragmentos em cerca de 60 anos revelados

Arqueologia: Israel & # x27s passatempo nacional - análise

As brasas ainda queimam do país & # x2019s, uma grande paixão por escavações.

Novos fragmentos de pergaminho do Mar Morto, cesta mais antiga do mundo e # x27s encontrados na caverna do deserto

Esqueleto de criança de 6.000 anos também encontrado na caverna do deserto da Judéia. É a primeira descoberta desde que os Manuscritos do Mar Morto foram encontrados em 1947 e no início dos anos 1950.

A cesta tecida mais antiga do mundo encontrada em Israel, data de 10.000 anos atrás

A cesta foi encontrada vazia e fechada com uma tampa. Apenas uma pequena quantidade de solo foi recuperada nele e os pesquisadores esperam que ajude a identificar o que o navio continha.

Amuleto de fertilidade & # x2018 bíblico & # x2019 encontrado por um menino de 11 anos no Negev

O artefato retrata uma mulher estilizada de seios nus usando um lenço com as mãos cruzadas sob o peito e remonta a cerca de 2.500 anos atrás.

Arqueólogos descobrem carruagem cerimonial antiga perto de Pompéia

Massimo Osanna, o diretor do sítio arqueológico de Pompéia, disse que a carruagem foi a primeira do tipo descoberta na área.

As descobertas em Timna mudam o que sabemos da história bíblica

JPost One-on-One semanal & # x27Zoomcast & # x27: Rossella Tercatin com o professor associado de arqueologia da Universidade de Tel Aviv, Prof. Erez Ben Yosef - Episódio 7

Um casal pagão foi enterrado no antigo Bnei Brak há cerca de 1.800 anos?

Dois sarcófagos de pedra foram descobertos no Ramat Gan Safari Park.

O local está danificado pelas obras rodoviárias palestinas Joshua & # x27s Altar?

& quotMesmo para aqueles que não acreditam que o altar foi construído por Josué, na minha opinião o local continua sendo um dos mais importantes em Israel desde o período da Idade do Ferro I. & quot

Gantz proíbe o FADC de inspecionar danos ao local do altar de Joshua e # x27s

A direita se concentrou nos danos ao local, como um lembrete físico de sua preocupação maior de que a AP está destruindo a arqueologia judaica na Cisjordânia.

Como os antigos egípcios cozinhavam? Depois de 54 pães, o estudioso encontra as respostas

A técnica consiste em cobrir o interior das formas cônicas para pão com uma camada de argila arenosa fina, aquecer as formas horizontalmente e modelar previamente a massa em pedaços alongados.

Profeta Joshua & # x27s local do altar do Monte Ebal prejudicado por obras na estrada palestina

A notícia da destruição causou um clamor imediato entre os políticos de direita.

Moeda de 1800 anos encontrada por um soldado oferece uma visão da vida antiga em Israel

Em um de seus lados está escrito: & # x201C do povo de Geva Phillipi, & # x201D [cívico] ano 217 (158 & # x2013159 EC) junto com a imagem do deus da lua sírio, Homens.

Arqueólogos descobrem amigos de Césares na Cidade do Vaticano

Até agora, 250 sepultamentos magníficos da elite romana foram desenterrados dentro das muralhas da Cidade do Vaticano.

World & # x27s mais antigo & # x2018emojis & # x2019 desenterrados em sítio pré-histórico em Israel

Os arqueólogos acreditam que o osso pertencia a um auroque, gado grande que é considerado um ancestral das vacas e do boi.

Equipes israelenses descobrem práticas ancestrais de comer azeitona abaixo do mar

A descoberta na costa de Haifa feita por um grupo de pesquisadores da maioria das principais universidades israelenses mostra que a produção de azeitonas para consumo começou há pelo menos 6.600 anos.

Biblical & # x2018royal purple & # x2019 encontrado na Timna oferece uma olhada no guarda-roupa do Rei Davi

A cor, um tom púrpura brilhante, foi extraída de moluscos pescados no mar Mediterrâneo por um processo muito caro.

O antigo mercado em Tiberíades pode ter sido uma das primeiras mesquitas do Islã & # x27s

As escavações estimam que o que foi desenterrado sob a estrutura & # x2014, a camada externa de uma mesquita & # x2014, pode na verdade remontar a 635 DC, possivelmente construída por um amigo do Profeta Muhammad.

Granada de mão da Primeira Guerra Mundial descoberta em Jerusalém

A granada foi descoberta em uma antiga cisterna por Oscar Becherno, diretor da escavação arqueológica em nome da Autoridade de Antiguidades de Israel.

Antigo & # x2018Cristo, nascido de Maria & # x2019 inscrição desenterrada no norte de Israel

A região do Vale de Jezreel oferece muitos testemunhos da vida cristã antiga.

Asdoditas pré-históricas usaram ferramentas de corte para comer medula óssea & # x2013 estudo

Centenas de milhares de anos atrás, os humanos antigos que viviam na área da moderna Ashdod usavam um tipo específico de ferramentas de pedra para quebrar ossos de animais e extrair a medula óssea.

Os judeus de Qumran usaram os rolos da Torá há 2.000 anos? A plotagem fica mais espessa - estudo

Os pergaminhos têm sido uma parte essencial da vida judaica por milênios

Egito revela caixões de 3.000 anos na última descoberta arqueológica

"Todas essas descobertas irão reescrever a história de Saqqara e do Novo Reino", disse Hawass.

O primeiro processador de alimentos do mundo, de 350.000 anos atrás, encontrado perto de Haifa

O processador de alimentos é a ferramenta de abrasão mais antiga já encontrada.

Cientistas de Weizmann datam a erupção de Santorini com um moderno ramo de oliveira

O crescimento anual da oliveira não é uma história simples.

Santuário do rio Jordão livre de minas termina 50 anos de espera pela Epifania

Os esforços de desminagem israelenses começaram em 2018 e incluíram o apoio do Halo Trust, um grupo de remoção de minas com sede na Escócia.

O último membro da equipe de pesquisa original dos Manuscritos do Mar Morto morre de COVID-19

O explorador de Qumran tinha 91 anos.

Escavação arqueológica em Jaffa desenterra um bebê de 3.800 anos enterrado em um frasco

O jarro foi encontrado na parte da Cidade Velha de uma cidade portuária de 4.000 anos, uma das mais antigas do mundo.

Arqueólogos encontram pista de dança onde João Batista foi condenado

Josefo disse que o assassinato foi realizado em Machaerus, um forte perto do Mar Morto no que hoje é parte da Jordânia.

Inscrição da Grécia Antiga encontrada por acaso no Negev

A pedra foi encontrada por um trabalhador do & quotProject 500 & quot da Autoridade de Parques e Natureza enquanto limpava e preparava caminhos naturais no Parque Nacional de Nitzana.

A rampa de cerco da era das Cruzadas ainda protege Ashkelon

Embora essa rampa possa ter sido construída originalmente como parte de uma guerra, seus restos serviram a um propósito muito diferente e pacífico: evitar que a areia entre na cidade.

Arqueólogos descobrem que um grande tsunami atingiu Israel durante o período Neolítico

A equipe de pesquisa sugere que o que pode ter acontecido para causar o tsunami foi um efeito de reverberação de um terremoto que ocorreu ao longo da Transformação do Mar Morto.

Israel será em breve atingido por um terremoto destrutivo e mortal, mostra o estudo

"Pode ser daqui a dez anos ou várias décadas, mas também pode ser na próxima semana, e precisamos estar constantemente preparados para isso", disseram os pesquisadores.

As evidências mais antigas de ferramentas de polimento de pedra datam de 350.000 anos

A descoberta mostra que nossos ancestrais jogavam jogos com pedras que eram aquecidas e usadas como peças diferentes.

Um tesouro de moedas de guerra ligado à antiga rebelião liderada pela Rainha Boudicca encontrado no Reino Unido

As moedas datam de cerca de 40-50 dC, combinando bem com a linha do tempo da revolta da rainha & # x27 no leste da Inglaterra em 60 ou 61 dC contra os romanos de ocupação.

Os túneis da Cidade Velha de Jerusalém recebem reconhecimento internacional

Os túneis conquistaram o primeiro lugar na categoria & quotOddities of the Underground & quot, exclusiva do 2020 ITA Tunneling Awards.

O local de nascimento de Jesus se tornou um local de peregrinação antes do que se pensava

Mas quando os cristãos começaram a viajar para lugares em Israel associados a eventos descritos na Bíblia por motivos religiosos?

Os cananeus de dente doce importaram alimentos exóticos para Israel há 3.600 anos

A análise dos dentes de indivíduos que viviam em Megido mostra que os cananeus importavam alimentos exóticos da Índia e do sudeste asiático.

Arqueólogos recriam azulejos do templo por onde Jesus andou

Esse é o entendimento de arqueólogos e pedreiros israelenses que, valendo-se de relíquias e textos históricos, recriaram o piso sagrado para que ele possa ser vivenciado hoje.

Arqueólogo amador do Reino Unido: Santo Graal em cripta secreta no rio oeste de Londres

Encontrar o Santo Graal é o Santo Graal dos achados arqueológicos.

Moldes de velas da era islâmica encontrados perto de Tiberíades

As descobertas podem aumentar a compreensão dos historiadores sobre aqueles que viviam perto do Mar da Galiléia no início do período islâmico.

Antiga oficina de lamparinas a óleo lança luz sobre judeus e cristãos da era romana

Centenas de lâmpadas de óleo de cerâmica & # x2013 dois símbolos de rolamento da menorá & # x2013 e moldes de lâmpada de pedra para sua produção foram encontradas junto com estatuetas de terracota.

Selo da Idade do Ferro com 2.300 anos encontrado no mercado israelense

Os pesquisadores revelaram que um selo vendido em um mercado por alguns shekels para um professor da Universidade Ben-Gurion do Negev (BGU) é na verdade o selo mais antigo descoberto em Israel.

Contos altos: a pesquisa examina a altura real de Golias e # x27s

Embora seja possível que Golias fosse bastante alto e até mesmo pudesse ter diminuído a maioria de seus contemporâneos, ele ainda era um ser humano de tamanho normal, pelo menos para os padrões de hoje.

Gravura rara da menorá remonta à era Hasmoneu

A menorá foi descoberta na década de 1980 na Judéia e Samaria.

Israel ganha prêmio internacional de construção de túneis para arqueologia

O projeto de Israel é muito focado na arqueologia, especialmente devido à rica história que se encontra sob a superfície de grande parte do país, especialmente em cidades com milhares de anos.


SAMARIA

SAMARIA (Heb. Shomron , moderno Sebaste ), cidade estabelecida como capital do reino do norte de Israel durante o reinado de Omri c. 884 b.c.e. Antes do período Omride, o local parece ter sido o centro de uma extensa área de produção de vinho e azeite, o que pode ter sido responsável por sua escolha como a nova capital. Aparentemente, a origem do nome do local era de Shemer, o proprietário epônimo da terra que Omri comprou por dois talentos de prata (1 Reis 16: 23-24).

O local foi escavado por duas expedições arqueológicas. A primeira foi a Expedição Harvard, inicialmente dirigida por G. Schumacher em 1908 e depois por G.A. Reisner em 1909 e 1910 com o auxílio do arquiteto C.S. Fisher e D.G. Lyon. A segunda expedição ficou conhecida como "Expedição Conjunta", um consórcio de cinco instituições dirigido por J.W. Crowfoot entre 1931 e 1935, com a ajuda de K. Kenyon, E.L. Sukenik e G.M. Crowfoot. As principais instituições foram a Escola Britânica de Arqueologia em Jerusalém, o Fundo de Exploração da Palestina e a Universidade Hebraica. Na década de 1960, escavações em pequena escala dirigidas por F. Zayadine foram realizadas em nome do Departamento de Antiguidades da Jordânia.

A cidade foi construída no cume de uma colina rochosa, e as fundações dos edifícios monumentais de períodos posteriores muitas vezes escavadas através dos estratos anteriores até o leito rochoso, que nunca esteve muito abaixo. In modern times the site has been used as farmland by the villagers of neighboring Sebaste this meant that most of the excavated areas had to be back-filled and returned to agricultural use. These two developments hindered excavation and later analysis of the remains. The earliest remains consist of extensive rock-cut installations, initially thought to date to the Early Bronze Age by Kenyon. These were reevaluated, first by Stager and then by Franklin, and are now recognized to be the remains of an extensive early Iron Age oil and wine industry (designated Building Period 0).

Only the acropolis of Samaria has been extensively excavated down to the bedrock. The palace was excavated solely by the Harvard Expedition and recognized by it as the Palace of Omri (designated Building Period i). The Omride palace was located on an elevated 4-meter-high rock-cut platform that isolated it from its immediate surroundings. Immediately below the palace, cut into the face of the bedrock platform, there are two rock-cut tomb chambers that have only


Chichén Itzá

Also in support of the identification of Tula as the Toltec capital are the architectural characteristics and stylistic features of the sculpture of a large site in northern Yucatán called Chichén Itzá. The resemblance between the two sites is extraordinarily close. At Chichén are found flat beam and masonry roofs (contrasting sharply with the typical Maya corbeled vault), serpent columns, colonnaded halls attached to the bases of temples, altars with Atlantean figures, sculptured representations of skulls and crossbones, marching felines, canines and raptorial birds devouring human hearts, and depictions of warriors with typical Toltec accoutrements. Furthermore, there are even scenes showing Toltec and Maya warriors in combat. The Temple of the Warriors at Chichén Itzá looks like an attempt to duplicate Structure B at Tula.

One of the puzzling aspects of the relationship between the two sites is that the public architecture of Chichén Itzá is actually more monumental than that at Tula, leading at least one Meso-American specialist to believe that Tula’s style was derived from Chichén. Many of the stylistic features themselves, however, have prototypes in Classic Teotihuacán, whereas there is little in Classic Maya culture that could be considered as the source. What is more probable—and this agrees with the Toltec version of the relationship—is that the Toltec state in Yucatán was politically independent from Tula and was larger in area and population. The presence of rival states in central Mexico such as Xochicalco and Cholula may have kept the core of the Toltec polity relatively restricted in space. The much larger area and population controlled by the Toltec state at Chichén would explain the differences in the scale of architecture. The superior military organization and equipment of the Toltec perhaps explains their apparent success in Yucatán.


Why was Samaria made the capital of the Kingdom of Israel?

According to the biblical narrative the northern Kingdom of Israel was founded circa 930 BCE, following the fragmentation of the United Monarchy, which was based in Jerusalem. However, a permanent site for the northern kingdom's capital was chosen only circa 880 BCE, by Omri, its 7th king and the founder of a new dynasty.

The story of Omri's purchase of a suitable site and naming it Samaria (Shomron) after Shemer the previous owner is related in I Kings 16:24.

He bought the hill of Samaria from Shemer for two talents of silver and built a city on the hill, calling it Samaria, after Shemer, the name of the former owner of the hill.

But why did Omri choose the hilltop site of Samaria (Shomron) as his capital? It was not easily accessible, perched as it was atop a hill ca 400 meters above sea level and located deep in the mountainous countryside that formed the heartland of ancient Israel. Although it was served by the north-south mountainous Ridge Route (the “Way of the Patriarchs”), it was far from the Via Maris, the ancient international route, and it was south of the minor east-west route that ran through the Dothan Valley.

Why did Omri not choose an existing site, such as the traditional center at Shechem, or Tirzah, the city used as a temporary capital by his predecessor? A possible answer may be that he was the founder of a new dynasty, a usurper, and he felt that he needed to establish his powerbase somewhere free of the functionaries of the old regime. Perhaps the answer lies with the late Professor Benjamin Mazar's (1989, 215-219) suggestion that Omri had a familial connection to the eponymous Shemer and so would have viewed the hill as part of a family estate.

In fact both of these explanations may reflect a desire by Omri to emulate his powerful contemporary, Assurnasirpal, King of Assyria, who built a magnificent new capital city at Nimrud, ancient Kalhu, on the site of an ancestral domain. But were these reasons sufficient for choosing the site of Samaria as the national capital? For the answer, we must turn to archaeology.

Samaria was first excavated by the Harvard Expedition from 1908 to 1910 (Reisner et al. 1924). The excavators had wanted to reveal biblical Samaria and so they concentrated their excavation on the summit of the hill. There they exposed, amongst other monumental remains from later periods, the remnant of a magnificent building that they identified as the 9th century Iron Age “Palace of Omri.” and a slightly later casemate wall system that drastically changed the topography of the city that they designated the “Palace of Ahab.” Exposing the earliest city at Samaria is best summed up in Reisner’s own words (Reisner et al.1924, 60–61).

The identification of the Israelite buildings, once the rock was reached, was a comparatively easy matter. The earliest building on the crest of the hill, the primary building site, was of royal size and construction, and must have been built during the early possession of the hill by the Israelite kings. The oldest part, the core structure, was built on a pinnacle of rock made by cutting away the sides.

The next team, the Joint Expedition, excavated from 1931 to 1935, and brought together five institutions under the leadership of the director of the British School of Archaeology in Jerusalem, J. W. Crowfoot. He accepted the earlier expedition’s findings but changed the terminology to Building Period I (instead of the “Palace of Omri”) and Building Period II (instead of the “Palace of Ahab”) (Crowfoot et al. 1942).

As the Harvard team had previously, the Joint Excavation also excavated the monumental Roman remains built during the reign of Herod the Great, who had changed the name of the city from Samaria to Sebastia to honor his patron, the Roman Emperor Augustus. whose name in Greek was Sebastos. Today the site is often referred to as Samaria-Sebaste.

But it is the earlier, pre-Omride remains that are the focus of this article. These remains consist of more than one hundred agricultural installations, the majority of which are rock-cut cisterns and preparation areas. The Harvard Expedition exposed and documented many of them but made no attempt to understand their function the Joint Expedition incorrectly attributed those that they excavated to the early Bronze Age. Some of the early agricultural installation (those excavated by the Joint Expedition) were later reexamined by Professor Lawrence Stager and he correctly reattributed them to the early Iron Age, allocating them to a newly defined period, Building Period 0, which he dated to the 11th and 10th centuries BCE. Stager then proposed that Building Period 0 represented the estate that belonged to the biblical Shemer (I Kings 16:23-24) (Stager 1990).

When I started my analysis of the Harvard Expedition’s excavation reports and archival material relating to Samaria, I was immediately struck by the fact that there were many rock-cut agricultural installations not included in Stager’s research.

Altogether there are 36 known bottle-shaped cisterns cut into the bedrock of the summit but we know that there must be many more as 1) only a fraction of the summit was excavated down to bedrock and 2) the Joint Expedition considered it unnecessary to document all the cisterns that they excavated. Associated with these bottle-shaped cisterns there are also rock-cut presses for producing oil and rock-cut rectangular preparation areas. The largest of the rectangular installations measures over 5 m. wide ×10 m. long, and slopes from 60 cm. deep to 1 m. deep. This installation’s shallow depth and sloping floor indicate that it was probably a grape-treading area. It was well documented by the Harvard Expedition, which, despite the strategraphic impossibility, declared it to be the ‘Pool of Samaria,’ where the blood was washed from Ahab’s chariot (1 Kings 32:28). The lower rocky slopes of Samaria, although barely excavated, also provided evidence for even more rock-cut installations and bottle-shaped cisterns. Although only some of these agricultural installations had datable pottery from their period of use, stratigraphically it is clear that all of these elements originated in Building Period 0—the 11th and 10th centuries BCE—and that many of them continued in use during Building Period I.

This means that Building Period 0 agricultural domain was no small family holding but rather a major commercial enterprise comprising over 100 known bottle-shaped cisterns, and the capacity of just these known cisterns would have had an amazing circa 350,000 liters. Therefore. we can safely assume that they represent a huge agricultural concern that once belonged to Shemer. This must mean that Omri chose this rocky hill-top site as his new capital for its economic potential. There was oil " in them thar hills" and oil (olive oil) meant wealth and what ambitious king could turn his back on such a lucrative venture? Omri’s choice of Samaria as his capital enabled him to line the state coffers and establish an economically-sound and strong powerbase from which to rule. His palace was built over a few of those installations, putting them out of action, but the vast majority continued to function during Building Period I for circa 60 years until the city was drastically altered during Building Period II (see Franklin 2004 for a revision of Building Periods I and II).

In short, the newly established capital of the northern Kingdom of Israel was not a militarily strategic site, nor was it located on any major trade route rather it served as the hub of a highly specialized and lucrative oil and wine industry that flourished throughout southern Samaria. It must have been an important element in the kingdom’s economy and a key factor in the emergence of the fully fledged Israelite state during the Omride dynasty.

Bibliografia

Crowfoot, J.W., Kenyon, K.M. and Sukenik, E.L. 1942 The Buildings at Samaria. (Samaria-Sebaste Reports I). Palestine Exploration Fund, London.

Franklin, N. 2004 Samaria: From the Bedrock to the Omride Palace. Levante 36: 189-202.

Mazar, B. 1989 The House of Omri. Eretz-Israel 20 (Yadin Volume) 215-219 (Hebrew).

Reisner, G.A., Fisher, C.S. and Lyons, D.G. 1924 Harvard Excavations at Samaria 1908-1910, Volume I. Text. Harvard Semitic Series (Cambridge, MA, Harvard University Press).

Stager, L.E. 1990 Shemer’s Estate. BASOR 277/278, 93-107.

It seems rather unlikely that anyone who was, or wanted to be thought of as, a great king on the Assyrian model would have let his capital city be named after a much lesser individual. After all the whole country was widely known as 'Omria'. Mightn't 'Shemer' be a fiction concealing the meaning 'Place of Preservation' (which goes well enough with a centre of agricultural production) allowing the disapproving author of 'Kings' to play on the word that can also mean 'Place of Dregs', which he no doubt thought it was, Omri being more wicked even than his already highly heretical predecessors.


Assista o vídeo: OS GRANDES EXPLORADORES. Evidências NT (Novembro 2021).